AMAN75-83
O tema é: Brasil em perigo

Comissário político

Por: NEY DE OLIVEIRA WASZAK - CEL
Em: 27 de MARÇO de 2014

Uma das gotas d’água que impulsionaram a contrarrevolução de 1964 foi a quebra de hierarquia nas Forças Armadas (FFAA), tentativa promovida por João Goulart, presidente da República.

Hoje estamos vendo um subtenente que tem como qualificação, ser marido de idely salvatti.

A revista veja, em 25/03/2014 às 16:00\Política & Cia publicou, na coluna do Ricardo Setti, o seguinte:

“Marido da ministra Ideli Salvatti, o subtenente músico do Exército Jeferson da Silva Figueiredo participou em janeiro de sua primeira missão internacional.

Passou duas semanas na Rússia como integrante de uma comissão técnica de compras. Mas o militar músico não desembarcou em Moscou para renovar os instrumentos do Exército.

Ele foi escalado pelo ministro Celso Amorim para avaliar o sistema de defesa antiaérea que o Brasil pretende comprar da Rússia.

O Pantsir-S1, a escolha de Amorim, custa quase o triplo dos modelos preferidos pelos militares brasileiros que, ao contrário do marido de Ideli, realmente entendem do assunto.”


Estamos diante dos seguintes escândalos:

1. Caso semelhante a refinaria de Pasadena, onde a compra de um sistema de defesa antiaérea, mais caro que o concorrente, sendo decidido por um subtenente, não qualificado para a missão;

2. Quebra flagrante de hierarquia militar;

Conforme prega a doutrina comunista, haverá um comissário político nas unidades militares para fiscalizar o comandante, em todos os escalões.

Historicamente um comissário político é um oficial nomeado por um partido político para supervisionar uma unidade militar, sem respeitar a hierarquia, é a política sobrepujando o Estado.

Esta função foi utilizada pela primeira vez no Exército Vermelho, sendo introduzida por Trotsky, o objetivo deste oficial era de garantir a lealdade da unidade.

O Comandante do Exército, Gen Enzo, tem duas opções de comandante, ou NÃO ACEITA O RESULTADO OU PEDE DEMISSÃO.

Ocorrendo a segunda hipótese nenhum GENERAL DE VERDADE poderá assumir o comando para cumprir o que o SUBTENENTE DETERMINOU. O GENERAL mais antigo assume o comando de fato e informa ao executivo que o comando agora é seu e que não aceita o Ministério da Defesa como interlocutor.

Tudo isso cumprindo o que diz a constituição, que define o seguinte:

Art. 142. As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem.

COMANDANTE ENZO, SE O SENHOR ESTÁ COM O EXÉRCITO E COM O BRASIL É HORA DE DEMONSTRAR.