AMAN75-83
O tema é: Política correta

Funai, para o Brasil e para o Índio

Por: NEY DE OLIVEIRA WASZAK - CEL
Em: 13 de JULHO de 2016

O Brasil iniciou as ações para se livrar da esquerda, no dia 17 de abril de 2016, no artigo com o título de “Primeiro passo”, afirmo que o perigo não passou, é a necessária eterna vigilância.

Apesar de grande parte da mídia, manter proteção para comunistas perniciosos. O brasileiro, já está identificando os malefícios que esses comunistas, chamados de esquerda, causaram desde o início dos governos da chamada “nova república”, após os governos Militares.

Neste caminho do Governo Temer, se separando da esquerda, podemos verificar o corte de recursos para os bandidos como mst, cimi, parada “gay”, une e outros grupos erradamente chamados de movimentos sociais, quando deveriam ser chamados de quadrilhas.

Este corte de verbas irá incrementar os assaltos, furtos e explosão de caixas de bancos, pois as quadrilhas mencionadas necessitarão de recursos e o furto ao erário foi diminuído.

Entendo que neste início do governo do senhor Temer, há a necessidade de compor com o legislativo para votação de várias medidas essenciais, mas é fundamental já tomarem a direção correta, sem intervenção da esquerda.

O atual Presidente cometeu o erro de voltar atrás ao rever sua posição em relação ministério da cultura, que somente serviu para passar recursos para bandidos travestidos de artistas.

O Presidente Temer está prestes ao segundo passo, com a indicação do Gen Peternelli, para Presidente da Funai. Com a desculpa de atender aos índios o ministro da justiça, , deseja barrar essa indicação, o que na realidade representa é o desejo da esquerda e não a dos brasileiros e dos índios.

Conforme afirmei em outro artigo, o senhor Temer tem a oportunidade de se transformar em estadista, ou se manter mais um assecla da esquerda, comprometido com a promoção pessoal, com o bolivarianismo e não com o Brasil.

A confirmação do Gen Pertenelli será um marco positivo para o governo Temer e para o bem estar dos Índios.

A negação do CIMI (conselho indigenista missionário), entidade ligada a CNBB, entidade não reconhecida pela Santa Sé, responsáveis por patrocinar invasões e outras ilegalidades, ao se indignar com a indicação do brioso General, somente significa que a indicação é correta.

O medo do CIMI e CNBB, é que não irão manipular os índios conforme as ordens comunistas e do foro de São Paulo.

Desde o famigerado governo de fernando henrique cardoso, os índios estão servindo de massa de manobra para usurpação do Brasil e de nossas riquezas. Está na hora de uma pessoa responsável e confiável dirigir a Funai.

O Presidente Temer, não deve ter medo de fazer o correto, não se curve aos irresponsáveis que decidem conforme suas conveniências. Essas pessoas, que não deveriam compor o seu novo governo, pois são comprometidos com a esquerda e os objetivos do foro de São Paulo, que é o estado bolivariano e não o Brasil.

O importante é atender aos Índios ou atender a esquerda, representada pela CNBB e CIMI, para vender o Brasil?

Devemos lembrar do Índio, neto de bororó, terena e guará, o Marechal Cândido Mariano da Silva Rondon, o maior indigenista, cujo lema em relação aos índios era:

“Morrer, se preciso for. Matar, nunca!”



Lembrete:

Desejo ainda informar que a Funai, foi criada pelo Presidente Marechal Castelo Branco, no ano de 1967.

Esta informação foi lembrada pelo companheiro de turma Maj Pedro Ribeiro Coelho Júnior.